Críticas


Ópera Carmem - Georges Bizet


Jornal do Brasil - Junho 1987

"...Céline Imbert, a Carmem do segundo elenco, é uma cantora de excepcionais possibilidades. É ela seguramente uma das melhores Carmem  a que temos assistido, tanto em matéria de música quanto de voz e cena. Céline canta em ótimo francês e à francesa, ou seja, não grita nunca, não perde a elegância do fraseado, não se deixa seduzir por falácias italianizantes. Sua habanera é um primor de musicalidade, a seguidinha, um triunfo pela brilhantíssima valorização dos ornamentos (appoggiaturas estupendamente aplicadas). Sua cena das cartas é de canto dramaticamente expressivo, aí aparecendo graves audíveis e bem colocados. Cenicamente, ela é sensual, mas refinada, sutil, inteligente, vivaz. Se Renoir resolvesse pintar uma Carmem da Ópera Comique, Céline seria o modelo".

                                                                                                                                                                                                                                                            Marcus Góes


Ópera Condor - Carlos Gomes


Revista Concerto - Junho de 2002

...a montagem teve uma feliz e criativa concepção cênica..., complemento perfeito ao excepcional elenco (destaque à grande Céline Imbert, que atravessa uma fase espetacular em sua carreira). Quem ouviu, emocionou-se com a beleza da obra e a correção na interpretação.

                                                                                                                                                                                                                                                         Nelson Rubens Kunze

Revista Movimento - 9/junho/2002

"O que dizer da "Odaléa" de Céline Imbert? Que ela estava magnífica, que sua voz nunca foi tão linda? Dramática e intensa no recitativo "Vampe...Folgori...Rivolte"; doce e apaixonada na ária "Febbre fatal, sogno crudel d'ebra follia"; estarrecida e desesperada cantando "Ah! L'orda infame s'avanza a dar la morte al mio nascente amor"? Céline foi pródiga em contrastes, mantendo-se num colorido vibrante que emocionou a todos. Em todos os seus momentos foi sensual e apaixonante, numa interpretação rica em intenções e compreensão da personagem. Céline deixa neste registro, o maior momento de sua carreira até hoje".

                                                                                                                                                                                                                                                          Lauro Gomes

Revista Bravo - Julho 2002

"Céline Imbert, primeira soprano do país e com as melhores qualidades de diva, deu toda a intensidade dramatúrgica à figura de Odaléa, a rainha de Samarcanda, enclausurada em um santuário onde homem algum pode vê-la".

                                                                                                                                                                                                                                                         Lauro Machado Coelho e Regina Porto

O Estado de São Paulo- 25 de Maio de 2002

"Grande dimensão dramática foi dada por Céline Imbert à figura de Odaléa, rainha de Samarcanda... Em grande forma vocal, Céline obteve momentos comoventes em sua grande cena do início do ato 3, "Quanto silenzio a me d'intorno" e, também, no incandescente dueto em que finalmente, confessa seu amor ao estrangeiro que conseguiu chegar até ela".

                                                                                                                                                                                                                                                         Lauro Machado Coelho 


Tetralogia O Crepúsculo dos Deuses - Götterdämerung


O Estado de São Paulo - 26 de Abril de 2004​

"A Céline Imbert deveu-se o momento decerto mais comovente do espetáculo: a sequência em que Waltraute vem pedir à irmã que desenvolva o anel ao Reno, pois os deuses estão morrendo. A atriz de natural instinto cênico soube contornar os problemas de uma tessitura que leva ao limite as possibilidades de seu timbre de mezzo. Céline deu vibração intensa à descrição do Wotan mudo, tendo nas mãos os fragmentos de sua lança quebrada, esperando a morte chegar ".

                                                                                                                                                                                                                                                        Lauro Machado Coelho 



Ópera Die Walkurie - Richard Wagner


O Estado de São Paulo -24 de Abril de 2002

"A sala encheu-se de eletricidade com a entrada de Fricka. A interpretação de Céline Imbert sugeriu a indignação da deusa ultrajada pela violação às leis do matrimônio e o sofrimento humano da mulher, sentindo-se negligenciada e traída pelo marido. Sutil mistura de realismo e estilização fez do retrato de Fricka a realização de uma cantora atriz em plena maturidade artística".

                                                                                                                                                                                                                                                        Lauro Machado Coelho 

Folha de São Paulo - 20 de Abril de 2002

"...Fricka, retratada pela Céline Imbert de sempre, vocalmente esplêndida e cenicamente selvagem, um personagem de verismo italiano ( Santuzza em roupagem wagneriana)".

                                                                                                                                                                                                                                                       Irineu Franco Perpétuo

Ópera Édipo Rei - Igor Stravinski


Gazeta Mercantil -20, 21 e 22 de Junho de 2003

"Animal de palco, a meio-soprano Céline Imbert emociona até mesmo quando está no alto de um cubo com a voz de pura chama."

                                                                                                                                                                                                                                                      Arnaldo Lorençato


41º Festival Música Nova


A Tribuna Digital - 24 de Agosto de 2006 ​

"... outro importante momento do Festival foi a apresentação da grande Céline Imbert, bela figura em cena, cantando lindamente, com sua poderosa e expressiva voz de mezzo-soprano, as Folk Songs do italiano Luciano Berio, plenamente identificada com o espírito, a alma musical de cada uma delas, de diferentes partes da Europa
Céline Imbert cantou canções de Arrigo Barnabé e as Baladas da Cantora Fantasma do Rádio de Eduardo Guimarães Álvares, supreendentemente mais suaves do que as que habitualmente eles compõem."

                                                                                                                                                                                                                                                      Gilberto Mendez


Ópera Fosca - Carlos Gomes


O Estado de São Paulo - 31 de Maio de 2006

"... se exige do cantor não apenas uma boa forma vocal, mas a capacidade de saber atuar. Mais do que isso, de enfrentar partituras repletas de contrastes, que saltam frequentemente das notas mais graves às agudas, exigindo ainda complicadas passagens na região central. Não é definitivamente, assunto para amadores. E a soprano Céline Imbert esteve o tempo todo à altura do desafio colocado pelo compositor.
Céline Imbert é, além de uma voz privilegiada, um furacão no palco.
Deu aula de canto. E como foi bonita a cena em que, no segunto ato, ao refletir sobre o que sente, transforma-se enfim em mulher (idéia reforçada por pequenos mas eficazes toques do diretor Caetano Vilela) para, pouco mais tarde, perder definitivamente o controle perante a imagem do casamento de Paolo e Délia"

                                                                                                                                                                                                                                                       João Luiz Sampaio


Liebestod da Ópera Tristão e Isolda - Richard Wagner


Jornal do Brasil - 29 de Março de 1996

"...Em seguida, veio a grande revelação da noite. Temos uma Wagneriana de primeira linha: o soprano paulista, Céline Imbert.
Céline Imbert entrou em cena com a dignidade dos grandes artistas e cantou o Liebestod com a sensibilidade dos verdadeiros. Sem sombra de dúvida, Céline assinou uma página importante da interpretação wagneriana brasileira. Foi emocionante observarmos sua apreensão, mais do que natural, minutos antes de enfrentar Wagner. Céline mostrou a resultado de um trabalho árduo e, sobretudo, honesto. Sua dicção dos versos em alemão estava perfeita. A emissão completamente equilibrada e a expressividade, irresistível.
O Liebestod (Morte de Amor), última cena de Tristão e Isolda, é um carro-chefe das grandes divas wagnerianas. Céline Imbert, depois de sábado, não deve nada a nenhuma delas. Depois do Liebestod, foi chamada seis vezes ao palco para aplausos".



Livro Ilha Deserta - Discos - Publifolha (Participação de Céline Imbert)


Publifolha - Janeiro de 2004​

"Seu texto é uma preciosidade. Não poderia ser mais apropriado para o livro. Você captou exatamente o espírito da "Ilha" e, para mim que não sabia nada dessa sua aventura moçambicana e que acabei de ler os livros do Elio Gaspari ontem, o que você escreveu faz o livro vibrar com uma intensidade especial."

                                                                                                                                                                                                                                                     Arthur Nestrovsky



 Lobgesang -  Mendelssohn


Folha de São Paulo -21 de Abril de 2002

"Foi lindo o dueto das sopranos, Kiberg lado a lado com nossa diva Céline Imbert, cuja presença calada já faz música e cuja música faz calar por dentro ".

                                                                                                                                                                                                                                                    Arthur Nestrovski

O Estado de São Paulo - 24 de Dezembro de 2002

"...a brasileira Céline Imbert, ela também em grande forma na noite de quinta-feira".

                                                                                                                                                                                                                                                Lauro Machado Coelho 


O Anel de Nibelungo  - Richard Wagner


O Estado de São Paulo -09 de Maio de 2005

"...A Waltraute de Céline Imbert ... Todos eles se destacam não só pela convincente presença cênica, não raro alcançando momentos de forte emoção, como aquele em que Waltraute, no Crepúsculo, anuncia a Brünhilde a morte iminente dos deuses".

                                                                                                                                                                                                                                                Lauro Machado Coelho 

O Estado de São Paulo -10 de Maio de 2005

"...O que dizer da Fricka de Céline Imbert se não que é o fruto de uma cantora com completo controle de suas qualidades cênicas e vocais? ".

                                                                                                                                                                                                                                               João Luiz Sampaio

Revista Movimento - 22 de Maio de 2005

"Outra nova personagem foi designada à brilhante Céline Imbert, imprimindo mais um trabalho impecável no papel de Valquíria Wautraute "

                                                                                                                                                                                                                                               Fábio de Mello

Gazeta Mercantil - 29 de Junho de 2001

"Céline Imbert ainda é a melhor cantora lírica hoje em atividade no Brasil. Sua tessitura é ampla e sabe atuar. Deveria estar bem longe, a brilhar em Viena e Nova York".

                                                                                                                                                                                                                                              Luis Antônio Giron


Ópera Salomé - Richard Strauss


Revista Concerto - Outubro de 2003 ​

"A cantora Céline Imbert, o público paulistano bem o sabe, é uma das grandes cantoras brasileiras, notável tanto por suas qualidades vocais quanto dramáticas."

                                                                                                                                                                                                                                            Nelson Rubens Kunze

O Estado de S. Paulo - 29 de Outubro de 2003

"No elenco nacional, Céline Imbert, excelente atriz, vocalmente firme, passou sem problemas por cima da orquestra imensa e fez uma Herodíase imponente, do tipo que atrai o olhar do espectador até quando não está cantando."

                                                                                                                                                                                                                                                Lauro Machado Coelho 


Schéhèrazade - Maurice Ravel


Jornal do Brasil - 7 de agosto de 1995

Céline Imbert brilhou interpretando "Schéhèrazade"
Céline Imbert domina Ravel com maturidade
"No encerramento do Ciclo Ravel, sábado, na Sala Cecília Meireles, coube ao soprano Céline Imbert abrir o recital, com uma interpretação comovente das três peças da "Schéhèrazade". Difícil dizer em qual das três esteve melhor. A primeira, Asie, saciou a curiosidade do espectador, ainda meio inseguro diante de um soprano mais afeito à ópera italiana. Felizmente, na medida em que a música avançava, tanto a cantora quanto a orquestra, deram sinais de uma indubitável maturidade artística. A "Schéhèrazade", como quase tudo de Ravel, exige interpretação transcendental. No final de Asie, o públicop não resistiu e aplaudiu. Nas duas canções complementares, La flûte enchantée e L'indifférent, Céline Imbert e a Orquestra Sinfônica Brasileira assinaram a melhor "Schéhèrazade" apresentada em palcos do Rio de Janeiro".


Ópera Tannhäuser - Richard Wagner


Folha de São Paulo - 27 de Junho de 2001​

"A tessitura vocal do papel de "Vênus"caiu-lhe muito bem, sendo complementada por uma atuação cênica, como de hábito, apaixonada".

                                                                                                                                                                                                                                                       Irineu Franco Perpétuo